Direito Eleitoral: O que é e para que serve?

Você conhece o direito eleitoral? Sabe o que é, sua função e o que diz a legislação? Neste artigo, vamos explorar esse tema e esclarecer as principais dúvidas!

Direito Eleitoral

Direito Eleitoral: O que é e para que serve?

Ano de eleições sempre é cheio de dúvidas e questionamentos a respeito do que pode e não pode ser feito e quais são os direitos eleitorais.

No Brasil, o direito eleitoral é fundamental para o exercício da democracia. Eles asseguram que todos os cidadãos possam participar das eleições, que tenham o direito de votar e escolher seus representantes que irão guiar o país.

Além do voto, esses direitos eleitorais possibilitam a candidatura a cargos públicos, participação de campanhas e fiscalização do processo eleitoral.

Desse modo, compreender o funcionamento desses direitos é essencial para saber o seu funcionamento e importância, além de resultar em uma participação cidadã ativa e consciente no cenário político brasileiro.

Neste artigo, vamos explicar o que é o direito eleitoral, quais são eles e o que a legislação brasileira possibilita aos cidadãos do país. Continue lendo e descubra mais!

Se você quiser economizar tempo e resolver seu caso rapidamente, peça a ajuda de nossos especialistas para criar ou ajustar uma estratégia! Basta clicar aqui: https://forms.gle/GmG5qjiVa2tpoejf7

O que é o direito eleitoral?

O direito eleitoral são direitos que tratam da participação no processo democrático de escolha dos representantes políticos do país.

No Brasil, os direitos eleitorais incluem, por exemplo, o direito de votar, ser votado e participar das campanhas eleitorais. Conforme a lei, votar é obrigatório para os cidadãos com idade entre 18 e 70 anos. Ainda, é opcional para jovens de 16 e 17 anos, os idosos acima de 70 anos e analfabetos. 

O direito eleitoral no Brasil também garante que os eleitores tenham acesso a informações sobre os candidatos, suas propostas e as pesquisas de voto. Por sua vez, esse direito protege o cidadão contra falsas informações e fraudes.

Além disso, o direito eleitoral possibilita que os cidadãos sejam candidatos aos cargos públicos, expressem suas opiniões e apoiem candidatos e partidos políticos publicamente.

Dessa forma, esses direitos permitem o exercício da democracia e reforçam a vontade e voz do povo na formação do governo.

Para que serve o direito eleitoral?

Esses direitos servem para assegurar uma participação ativa e segura da vida política e democrática do país. Assim, possibilitam que cada pessoa tenha o poder de escolha sobre seus representantes e de influência sobre as decisões governamentais.

Por meio da votação, a população pode expressar suas opiniões, sentimentos e preferências sobre aquele que deve liderar um município, estado ou o país. Além disso, demonstra de que forma os cidadãos querem que o governo atue.

Além do mais, o direito eleitoral inclui a possibilidade de candidatura a cargos públicos, permitindo que os cidadãos possam ser eleitos para representar sua comunidade.

Esses direitos também são fundamentais para garantir a transparência do processo eleitoral, a fim de que as pessoas ajam conscientemente e tenham confiança nas instituições democráticas.

Por sua vez, os direitos eleitorais promovem justiça, igualdade e a democracia no processo político.

Quais são os princípios dos direitos eleitorais?

Os princípios do direito eleitoral funcionam de forma que garantem a integridade e a justiça no processo eleitoral. Portanto, eles são base fundamental para o exercício das eleições brasileiras.

São eles:

  1. Anterioridade ou Anualidade Eleitoral

Esse princípio é garantido pela Constituição Federal, art. 16:

Art. 16. A lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor na data de sua publicação, não se aplicando à eleição que ocorra até um ano da data de sua vigência.

Desse modo, esse princípio garante que qualquer alteração nas leis eleitorais só pode ser aplicada se tiver sido sancionada pelo menos um ano antes das eleições. Por sua vez, garante estabilidade e previsibilidade ao evitar mudanças abruptas.

  1. Lisura das Eleições 

O princípio da lisura se estabelece no art. 23 da Lei das Inelegibilidades, que trata de casos de inelegibilidade, prazos de cessação e outras providências de acordo com o art. 14, § 9º da Constituição Federal:

Art. 23. O Tribunal formará sua convicção pela livre apreciação dos fatos públicos e notórios, dos indícios e presunções e prova produzida, atentando para circunstâncias ou fatos, ainda que não indicados ou alegados pelas partes, mas que preservem o interesse público de lisura eleitoral.

Desse modo, a lisura garante transparência e igualdade de condições durante o processo eleitoral. Assim, trata da fiscalização rigorosa das campanhas, dos candidatos e da integridade da apuração de votos.

  1. Autenticidade Eleitoral

Este princípio está vinculado à Constituição Federal e enfatiza que as eleições devem ser livres e autênticas. Portanto, devem representar verdadeiramente a vontade dos eleitores. Assim, os eleitores podem votar sem coerção, fraude ou manipulação.

  1. Celeridade

O princípio da celeridade está garantido no Código Eleitoral, art. 257:

Art. 257. Os recursos eleitorais não terão efeito suspensivo.

Assim, trata da necessidade de rapidez na resolução das questões eleitorais. Garante, portanto, que as disputas e irregularidades no processo eleitoral sejam resolvidas de forma eficiente e rápida, sem atrasos desnecessários.

  1. Aproveitamento do Voto

Este princípio decorre do art. 219 do Código Eleitoral:

Art. 219. Na aplicação da lei eleitoral o juiz atenderá sempre aos fins e resultados a que ela se dirige, abstendo-se de pronunciar nulidades sem demonstração de prejuízo.

Parágrafo único. A declaração de nulidade não poderá ser requerida pela parte que lhe deu causa nem a ela aproveitar.

Na aplicação da lei eleitoral, ao analisar possíveis nulidades que possam comprometer as eleições, a Justiça Eleitoral deve preservar sempre a soberania popular.

Quais as principais leis do direito eleitoral?

São várias as leis eleitorais no Brasil que regulam o processo eleitoral e garantem a justiça e a transparência das eleições. Desse modo, iremos destacar os principais fundamentos:

A Constituição estabelece os fundamentos do direito eleitoral, incluindo o voto direto e secreto, requisitos para candidaturas, criação e funcionamento dos partidos políticos (art. 14 ao 17, 118 ao 121).

A Lei nº 4.737/65 regula a organização e funcionamento da Justiça Eleitoral e o processo eleitoral. Por exemplo, regula as eleições, apuração de votos, garantias eleitorais, recursos, procedimentos penais e os crimes eleitorais.

Essa lei (nº 9.504/97) define as normas gerais para as eleições. Assim, estabelece as convenções partidárias, coligações, registro de candidatos, uso do Fundo Partidário, prestação de contas, propaganda e condutas proibidas durante a campanha eleitoral.

Trata da lei nº 9.096/95 que organiza, cria, funde e extingue partidos políticos. Também regula filiações partidárias, estatutos, fidelidade partidária e afins.

Essa lei complementar nº 64/90 define os casos em que candidatos são proibidos de se eleger a cargos políticos, incluindo critérios da Lei da Ficha Limpa, responsável por impedir a candidatura de condenados em segunda instância por crimes como corrupção.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) emite resoluções detalhando as instruções para a execução do processo eleitoral. Essas resoluções garantem a prática das leis eleitorais já citadas.

Quais são os nossos direitos políticos?

Direitos políticos são essenciais para garantir a participação ativa dos cidadãos na vida pública e nas decisões sobre o país.

Em geral, esses direitos incluem, principalmente, o direito de votar e ser votado. São eles:

Direito de Votar: participar das eleições para escolher representantes.

Direito de Ser Votado: se candidatar a cargos eletivos.

Direito de Participar em Plebiscitos e Referendos: votar em consultas populares.

Iniciativa Popular de Lei: propor projetos de lei.

Ação Popular: propor ações judiciais para proteger interesses coletivos.

Esses direitos garantem a participação democrática e a representatividade no governo. Eles são protegidos pela Constituição e pela legislação eleitoral, assegurando que todos possam contribuir para a construção de uma sociedade democrática e justa.

Quem pode legislar sobre o direito eleitoral?

No Brasil, o poder de legislar sobre o direito eleitoral é atribuído ao Congresso Nacional, composto pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal.

Assim, as leis eleitorais são criadas e aprovadas por esses órgãos legislativos e devem ser sancionadas pelo Presidente da República. Ademais, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) emite resoluções que complementam a legislação eleitoral, detalhando a aplicação prática das leis e garantindo a lisura das eleições.

São condições de elegibilidade CF?

As condições de elegibilidade segundo a Constituição Federal constam no art. 14, § 3º:

I – a nacionalidade brasileira;

II – o pleno exercício dos direitos políticos;

III – o alistamento eleitoral;

IV – o domicílio eleitoral na circunscrição;

V – a filiação partidária; Regulamento

VI – a idade mínima de:

a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da República e Senador;

b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e do Distrito Federal;

c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz;

d) dezoito anos para Vereador.

São inalistáveis CF?

Conforme o art. 14, § 2º:

O que um presidente não pode fazer em ano eleitoral?

Em ano eleitoral, o presidente tem restrições a fim de manter a imparcialidade do processo eleitoral. Dentre as principais proibições estão:

  1. Distribuir bens e benefícios. Ou seja, não pode conceder, distribuir ou prometer bens, valores e benefícios, salvo em casos de calamidade pública ou estado de emergência. Além disso, é possível se tiver relação com programas sociais autorizados em lei e em execução.
  2. Propaganda institucional. Não pode fazer propaganda institucional de atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos, salvo em casos específicos.
  3. Nomear e exonerar. O presidente não pode nomear ou exonerar servidores públicos, exceto com relação a cargos em comissão e funções de confiança.
  4. Transferir recursos. É proibido realizar transferências voluntárias de recursos da União para estados e municípios, salvo em casos de emergência.

Essas medidas e outras visam evitar o uso da máquina pública para influenciar eleitores e garantir a igualdade de condições entre os candidatos.

Um recado importante para você!

Direito Eleitoral

Direito Eleitoral: O que é e para que serve?

Entendemos que o tema de Direito Eleitoral pode parecer complicado.

Entre em contato com nossa equipe agora mesmo pelo WhatsApp e tire todas as suas dúvidas sobre seu caso e demais assuntos.

Nossos profissionais acreditam que o verdadeiro sucesso está em estabelecer conexões genuínas com nossos clientes, tornando o processo jurídico acessível e descomplicado.

Estamos aqui para transformar sua experiência jurídica e construir um futuro mais seguro juntos.

VLV Advogados: Protegendo Seus Direitos, Garantindo Recomeços.

______________________________________

Artigo escrito por especialistas do escritório Valença, Lopes e Vasconcelos Advocacia | Direito Civil | Direito de Família | Direito Criminal | Direito Previdenciário | Direito Trabalhista.

5/5 - (1 vote)

Autor

  • VLV Advogados

    • Advogados Especialistas em Diversas áreas do Direito;
    • Mais de 10 anos de atuação e mais de 5 mil cidades atendidas;
    • Atendimento humanizado e ágil de forma online e presencial;
    • Somos humanos, somos VLV.

    View all posts
Olá, tudo bom?
Fale conosco no WhatsApp! Rápido e seguro.
Fale Conosco